4 robôs super realistas que você precisa conhecer

Tempo de leitura
3
m

Já falamos aqui o quanto os robôs estão evoluindo em vários quesitos e que logo eles irão precisar até de direitos civis. Agora vamos focar na aparência deles.

Estamos em 2018 e já temos criações que parecem ser tão reais quanto eu e você. Podemos estar um pouco distantes da série Altered Carbon, mas isso não significa que as evoluções tecnológicas atuais não são capazes de nos levar para esse caminho.

Separamos 4 robôs realistas que são os mais avançados da atualidade:

// Sophia

 

A primeira robô a receber cidadania de um país – Arábia Saudita – foi fabricada pela Hanson Robotics e ativada em 2015. O rosto foi modelado em homenagem a atriz Audrey Hepburn e marcou uma divisão entre os androides não parecidos com os humanos e os mais próximos aos humanos.

A Hanson fez uma parceria com a Google e introduziu no sistema da androide um programa chamado de SingularityNET, que dá o poder da fala e compreensão à Sophia. Ao mesmo tempo que ela lembra e aprende conversas passadas, ela usa um sistema chamado Árvore de Decisão, o mesmo utilizado em chatbots.

Podemos considerar então que Sophia é um chatbot com um rosto humano, já que ela consegue conversar sobre tópicos simples e pré definidos. Sua face é capaz de reproduzir 62 expressões humanas e em 2018 foi dado a ela a habilidade de andar, porém, com movimentos muito limitados.

Em termos de realismo, ela está uns anos atras dos outros robôs que vamos mostrar, mas precisávamos mencioná-la.

// Jing Boran e Wuba

 

A Engineered Arts é uma empresa britânica que constrói robôs com movimentos e comportamento social humanoides. Em 2017 eles começaram a projetar, junto com o famoso museu de bonecos de cera Madame Tussaud’s, os primeiros personagens inteligentes a serem expostos.

Os robôs Jing Boran e Wuba não só se mexem, mas também sente a presença de humanos e muda de comportamento conforme o ambiente. As figuras foram inspiradas nos personagens do filme chinês Upa – Meu Monstro Favorito 1 e 2.

O time do museu trabalhou com as referências de fotos, medidas e scanner de corpo. Sobrando para a empresa trabalhar com toda a parte operacional e a “pele” dos personagens. Como é impossível animar cera, a solução foi fazer o material externo de silicone.

A movimentação do pescoço de Jing é quase perfeita, assim como os olhos que seguem as pessoas e reconhece pessoas por idade, gênero e conseguem sentir emoções.

// Alfred Jingle Machina

 

Criado pela Garner Holt Productions, Inc., empresa veterana em produção de máquinas animadas, o robô é considerado o que mais se aproxima de expressões humanas do mundo.

A máquina tem 42 atuadores no rosto e sete no pescoço para transmitir as emoções de maneira excelente. A empresa diz que as aplicações usadas em Alfred brevemente irão começar a ser utilizadas no serviço militar e na indústria médica para treinamentos.

// Xamã do Avatar

 

O vídeo acima até parece ser animação gerada por computador (CGI), mas não é!

Os parques da Disney sempre tiverem seus robôs temáticos, os animatronics. E dentro da Pandora, mundo do filme Avatar, do diretor James Cameron, que está o robô mais realista que existe atualmente. Apesar de não ter forma humana e sim de um personagem.

A Disney declarou que a xamã foi a robô mais complicada já criada pela companhia. Os movimentos são espontâneos, com aceleração e desaceleração dos corpo e rosto. Em oposição aos outros robôs, a xamã não possui compressores de ar ou fluidos hidráulicos para movimentar as expressões faciais e partes do corpo.

Todo o sistema é elétrico e construído pela Walt Disney Imagineering, braço de design e desenvolvimento da Walt Disney Company. A produtora executiva do time, Lisa Girolami, afirmou que o objetivo do trabalho é: “Não vamos parar até que a tecnologia não seja vista. Ela tem que ser invisível”.

Sendo assim, podemos esperar que novas máquinas como a xamã esteja entre nós. Até parece que o universo de Westworld não está tão longe assim.

Curtiu o conteúdo e quer saber mais a respeito? Então dê uma conferida na Revista Locaweb desse mês e conheça mais sobre as inteligência dessas máquinas.

Conhece outro robô super realista que não mencionamos? Comente aqui!