Imagem para o topo do blog que mostra as conexões que serão possíveis com o 5g

O que o 5g vai trazer de diferente para nós

Tempo de leitura
4
m

A próxima geração de internet móvel promete ser de 10 a 20 vezes mais rápida que a nossa hoje. O 5g vai demorar um pouco para ser lançado, lá pra 2020! Mas o que ele vai mudar em nossas vidas?

// Primeiro, o que é o 5g?

O 5g é como o 4g que você tem no seu celular, só que uma versão muito mais rápida, isso porque ele trabalha com frequências mais altas. Ou seja, as ondas eletromagnéticas oscilam mais vezes por segundo, tornando-a mais rápida.

“A conexão pode perfeitamente atingir 20 a 30 gigabits por segundo” , afirma Vinicius Dalbem, vice-presidente de estratégia da Ericsson. “Seria o suficiente para baixar um filme inteiro, em ultra HD, em três segundos”.

Entretanto, é bem possível que a velocidade será de 10 gigabits em um primeiro momento, o que já é muito maior do que o 4g atual (100 megabits por segundo). Com essa velocidade vai ser muito mais fácil de ter objetos conectados via internet das coisas.

Por exemplo, ele aguenta até 1 milhão de aparelhos conectados a cada km² de área. Isso é dez vezes mais que o 4g! O IoT (termo em inglês para internet das coisas) é a tecnologia que vincula diversos objetos do dia a dia, como a geladeira ao seu smartphone para falar quando um alimento está passando do prazo de validade.

Além da velocidade, o 5g tem baixa latência, isso é, o tempo que cada ponto de rede leva para processar e repassar os dados. Para se ter uma ideia, transmitindo dados para 10 celulares com o 4g, que tem uma latência de 50 milissegundos (0,05s), para o último demoraria 1s para chegar a informação depois do primeiro.

Parece pouco, mas na realidade é muito, comparado com o 5g que é praticamente instantânea a troca de dados. Isto é, a latência do 5g é 50 vezes menor do que o 4g, 1 milissegundo (0,001s).

// E o que vai facilitar na nossa vida?

O mundo está se tornando cada vez mais móvel e conectado, como falamos do IoT. Então a proposta para o 5g é tornar tudo em nossa volta mais inteligente e eficiente.

Todavia, o 5g não vai se limitar ao celular, mas estará presente em todos os lugares. Drones, por exemplo, podem se conectar entre si e com servidores para ajudar em missões de busca e salvamento ou monitorando tráfego com uma velocidade absurda.

Com essa conexão, pode ser até o início dos carros autônomos que “conversam” entre si e analisam dados de tráfego em tempo real para evitar acidentes. Ambulâncias e bombeiros “avisarão” aos semáforos próximos que estão chegando e eles ficarão verde. Existem várias possibilidades.

Hologramas também podem ser realidade! Eles serão usados para vídeos, videogames e até chamadas de vídeo sem lag, por causa da baixa latência.

E o benefício mais imediato talvez seja o fim das franquias de dados. A capacidade com o 5g é tão grande que as operadoras poderão oferecer planos ilimitados – ao contrário dos 2 a 4 GB por mês.

// Eu vou ter que trocar o meu celular?

Sim… Quando o 4g foi lançado, os smartphones compatíveis estavam no mercado antes da infraestrutura toda ser implementada. Mas foi um erro e provavelmente as operadoras não irão cometê-lo de novo.

Tanto os fabricantes de celular quanto as telefonias, devem lançar os aparelhos 5g quando as redes estiverem prontas, possivelmente no fim de 2019.

Para áreas rurais, a cobertura 5g infelizmente não vai resolver o problema de conexão. Isso porque ele opera em bandas de alta frequência e cobre distâncias menores. Ele é um serviço direcionado para áreas urbanas e densamente povoadas.

Bandas de frequência mais baixa são mais adequadas para distância maiores. Portanto, as operadoras devem melhorar a cobertura 4g para essas áreas. Mas também distribuir o 5g.

// O quanto depois vai chegar no Brasil?

Segundo estimativas de mercado, o 5g só chegará no país entre 2020 e 2022.

Isso por alguns motivos. Um deles é que o 5g só alcança a velocidade máxima se a operadora usar frequências bem altas. E o investimento é para tal é muito alto, no caso, as empresas teriam que instalar até 10 vezes mais antenas do que hoje.

Nos EUA e na China, o 5g vai começar operando em uma frequência mais baixa, e aqui as operadoras pretendem fazer o mesmo. Elas terão que comprar o direito de uso por meio de um leilão da Anatel, que deve ser em 2019.

Porém, essa frequência é próxima da chamada “banda C estendida”, usada para transmitir TV aberta via satélite. Para evitar interferência, é necessário instalar filtros nas casas que tem parabólica, ou seja, quase 20 milhões de residências.

Por fim, a professora Dimitra Simeonidou, da Universidade de Bristol, afirma, em escala mundial, que: “Mesmo que as redes estejam disponíveis em 2019, não vamos ver serviços 5g chegando para os nossos celulares até 2021”.

Sabemos que a espera por essa tecnologia poderá ser um desafio num mundo tão conectado, não é mesmo?

Qual benefício você acha que vai ser o melhor? Comente aqui!