Imagem para topo de blog sobre os e-Sports

O mundo dos e-sports

Tempo de leitura
5
m

Os e-Sports, ou esportes eletrônicos, estão em ascensão nos últimos anos. Tenho quase certeza que você já jogou um deles, tanto os mais antigos quanto os mais novos, como Counter Strike e Overwatch, respectivamente.

Antes de começar o texto, aviso que podem conter termos usados no mundo dos jogos, por isso disponibilizamos aqui um dicionário gamer.

O primeiro país a reconhecer a modalidade como oficialmente esportiva, foi a Coréia do Sul em 2000. Hoje, diversos países fazem campeonatos gigantescos com transmissões online e prêmios astronômicos.

Para se ter uma ideia, em 2017 foram feitos cerca de 3.600 torneios pelo mundo, movimentando mais de US$ 100 milhões. O Campeonato Internacional de Dota 2, por exemplo, deu mais de US$ 20 milhões em prêmio (cerca de R$ 66 mi), já o Campeonato Brasileiro de Futebol deu um pouco mais de R$ 63 milhões ao vencedor, no ano passado.

O jogo eletrônico Dota 2, lançado em 2013, é hoje o game que tem a maior premiação no mundo!

// Anos 70-80, o começo dos esportes eletrônicos

Durante essa época pode se dizer que foi o ponto de partida para o surgimento do esporte. Isso porque as pessoas começaram a se encontrar para competir entre si. Amigos se encontravam para disputar habilidades, sem nenhum prêmio, apenas por diversão e a vitória.

A primeira competição de jogos eletrônicos, que se tem registro, foi em 1972 na Universidade de Stanford, onde foi jogado Spacewar. O campeonato foi nomeado Intergalactic Spacewar Olympics (Olimpíadas Intergaláticas de Spacewar) e a premiação foi 1 ano de assinatura da revista The Rolling Stones.

Os anos 70 não são considerados um marco dentro do esporte eletrônico apenas pelo Spacewar Olympics, mas durante essa década começaram a ser desenhados alguns dos gêneros mais importantes que temos hoje.

Em 1974, foram lançados Maze War e Spasim, os primeiros com a categoria FPS, hoje uma das categorias mais lucrativas e jogadas. Em 1976, surgiu o The Fighter, que, como o nome já diz, foi o primeiro jogo de luta.

Entretanto, somente em 1981 que foi realizado o primeiro grande campeonato de e-Sports. A Atari promoveu o The Space Invaders Championship que reuniu mais de 10.000 participantes de várias partes dos Estados Unidos.

Os anos 80 também foram importantes por causa dos fliperamas. Eles ajudaram a disseminar diversos jogos que contribuíram para as categorias que são disputadas hoje. Os arcades também estimularam a competitividade das milhares de pessoas que frequentavam esses ambientes. Se você é dessa época, sabe como era.

// A ajuda da internet

A partir dos anos 90, o cenário do esporte eletrônico passou a ficar mais ativo, por causa do acesso a internet, o que beneficiou a ascensão dos jogos para PC. Muitos games que são competidos hoje foram lançados nessa época, como o World of Warcraft, Starcraft, Quake e Counter Strike.

Assim como a Atari, a Nintendo promoveu em 1990 o Nintendo World Championship, talvez o maior campeonato dos anos 90. Milhares de competidores de todo o mundo foram para jogar Super Mario Bros, Rad Racers e Tetris, com a premiação de US$ 10.000 e uma televisão.

A partir daí os prêmios foram aumentando e as participações em competições também. O campeonato Red Annihilation, de Quake, foi patrocinado pela Microsoft e o prêmio foi uma Ferrari 328 GTS!

Sendo assim, esses primeiros campeonatos e jogos foram importantíssimos para o desenvolvimento dos e-Sports, das equipes, visibilidade e profissionais atuais.

// Estrutura das equipes hoje

Como os outros esportes, os eletrônicos também são formados por equipes e jogadores profissionais. Essas equipes normalmente são patrocinadas, ou até mesmo formadas, por uma grande marca relacionada com games.

A equipe pode se restringir a uma modalidade ou ramificar para várias competições. A pioneira no país, Made in Brazil ou MiBR, por exemplo, criada em 2003, foi comprada em 2018 pela organização americana de esportes eletrônicos Immortals.

O time se limita ao jogo Counter Strike: Global Offensive (CS:GO), que é o segundo em relação a maior premiação, US$ 19 milhões em 2017.

No ano de 2012 a MiBR anunciou o fim das suas atividades. Porém, como falamos antes, em 2018 a marca foi comprada e foi anunciado seu retorno com o ex-time da SK Gaming.

Por sua vez, a SK é uma organização alemã fundada em 1997, que participa de diversos jogos, entre eles: CS:GO, LoL, FIFA e Hearthstone. O ex-time brasileiro da SK de CS:GO, que hoje está na MiBR, a equipe foi considerado um dos maiores da história da modalidade.

// Categorias dos jogos

Os jogos eletrônicos podem ser divididos em 5 categorias principais: Futebol, MOBA, FPS, Luta e Estratégia.

Os jogos eletrônicos de futebol surgiram do sucesso do jogo real, é claro. Os principais jogos são o FIFA e o PES, e as próprias organizações que fazem os torneios. O Fifa Interactive World Cup premiou em US$ 200 mil o vencedor da edição de 2017.

O Moba, do inglês Multiplayer online battle arena, é o gênero mais popular dentro dos e-Sports. O jogador controla um personagem em uma batalha entre dois times com o objetivo de derrotar a base principal inimiga. São exemplos de jogos o Dota 2 e o League of Legends (LoL).

O FPS é um gênero que é centrado no combate com armas de fogo. O ponto de vista do jogador é como se ele fosse o personagem do jogo. Esses são os famosos jogos de tiro, como o Counter Strike e o Rainbow Six Siege, que está crescendo muito no cenário de games.

Os jogos de luta ganharam fama com o principal campeonato do gênero, o Evolution Championship Series, ou EVO. Dentro do evento existem campeonatos separados dos jogos mais famosos, como o Mortal Kombat, Street Fighter, Tekken e Super Smash Bros.

Portanto, os jogos de estratégia em tempo real, eles são os “pais do e-Sports”. Graças aos países asiáticos, esse gênero cresceu e fez a popularidade mundial dos jogos eletrônicos. A febre começou principalmente por jogos como StarCraft e World of Warcraft.

// Indústria brasileira de games

O Brasil hoje é o terceiro maior público de e-Sports no mundo. Segundo um estudo da consultoria de mercado de games, Newzoo, existem 7,8 milhões de brasileiros que assistem a torneios mais de uma vez por mês.

O estudo também relata que o mercado movimentou US$ 655,3 milhões em 2017 e a projeção é de US$ 905,6 milhões em 2018!

Não à toa que o Ministério da Cultura anunciou um investimento de R$ 100 milhões na indústria brasileira de games. Com 66,3 milhões de jogadores e aumento de 182% no setor, o ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, disse que o incentivo pode ser uma forma de criar empregos com foco na diversidade.

Os games também estão sendo usados em outras áreas, dentro das empresas, por exemplo. A gamificação, é um conceito que aplica a metodologia de videogames dentro do negócio, aumentando engajamento e vendas.

“A indústria de games é heterogênea e miscigenada por natureza, porque ela lida com elementos de linguagens de várias outras atividades. Quanto mais diversificadas forem as referências e os elementos, melhor”, completa Sérgio.

E você, joga algum jogo eletrônico? Comenta aí!

Você sabia que podemos estar vivendo em um vídeo game? Confira no blog!