Gênios que ganharam o prêmio nobel mais de uma vez

Tempo de leitura
3
m

Receber um Nobel é provavelmente o maior reconhecimento que um cientista pode obter em sua vida. Agora imagine ter a honra de ser premiado duas vezes pela Academia Sueca de Ciências! Um feito extraordinário, não é mesmo?

As mentes brilhantes que receberam o prêmio nobel mais de uma vez

Para quem não sabe, o Prêmio Nobel é concedido a pesquisadores, escritores e filantropos que se destacaram por suas contribuições para o avanço da humanidade. Em toda a sua história, apenas 4 nomes figuram a lista de gênios que ganharam o Prêmio Nobel mais de uma vez. E é deles que falaremos neste post.

1 – Marie Curie

A primeira pessoa na história a realizar o feito de receber duas vezes o Prêmio Nobel foi a cientista polonesa Marie Skłodowska Curie, que primeiro recebeu o prêmio em Física e, mais tarde, em Química.

O que muita gente não sabe é que ela quase não foi nomeada para a primeira premiação: em 1903, a Academia Francesa de Ciências decidiu indicar apenas os cientistas Henri Becquerel e Pierre Curie — marido de Marie — como candidatos ao Prêmio Nobel de Física. Quando o matemático Gösta Mittag-Leffler ficou sabendo disso, ele avisou a Pierre, que, então, decidiu escrever uma carta explicando que a participação de Marie na pesquisa dos corpos radioativos havia sido essencial:  “Se é verdade que estão seriamente pensando em mim [para o Prêmio], eu desejo muito ser considerado junto com Madame Curie […]. Seu papel nesta descoberta foi muito importante (ela também determinou o peso atômico do rádio) ”,  teria escrito.

Foi assim que naquele ano os três cientistas — o casal Curie e Becquerel — receberam o Nobel e, em 1911, Marie recebeu o segundo prêmio, desta vez de Química, por sua descoberta dos elementos rádio e polônio.

2 – Linus Pauling

O feito de Marie Curie precisou de mais de quatro décadas para ser batido novamente. Desta vez, a marca foi alcançada pelo químico norte-americano Linus Pauling — que, aliás, foi o primeiro da História a receber dois Nobel não compartilhados —  

Pauling recebeu primeiro em 1954, e, oito anos depois, em 1962. O de 1954 veio por suas pesquisas sobre a natureza das ligações químicas e suas aplicações na determinação da estrutura das substâncias complexas.  Essas descobertas revolucionaram a forma como as moléculas eram estudadas através da aplicação da mecânica quântica à química.

Então, o segundo foi o Nobel da Paz, por seu pacifismo militante durante a Guerra Fria, focado principalmente no combate às armas nucleares. Ele criou uma campanha nos anos 40 que culminou na criação do Tratado de Interdição Parcial de Ensaios Nucleares, firmado por 113 países, incluindo os Estados Unidos, a então União Soviética, o Reino Unido, Alemanha, Japão, China e Brasil.

3 – John Bardeen

A gente tem muito o que agradecer às pesquisas de Bardeen. Para começar, o fato de hoje podermos ouvir os últimos sucessos da música no rádio, assistir televisão, falar pelo celular ou navegar confortavelmente na Internet usando computadores e tablets é consequência de suas pesquisas.

John Bardeen — formado originalmente em Engenharia Elétrica — foi o único cientista até a hoje a receber dois Nobel de Física. O primeiro veio em 1956, por seus trabalhos relacionados com semicondutores e pela descoberta do transístor (que viria substituir tubos de vácuo em inúmeros dispositivos eletrônicos).

O outro veio em 1972, por sua participação no desenvolvimento da teoria da supercondutividade, juntamente com Leon Neil Cooper e John Robert Schrieffer.

4 – Frederick Sanger

Finalmente, o último cientista a receber dois Nobel foi o britânico Frederick Sanger, um entusiasta da bioquímica que conseguiu determinar a sequência de aminoácidos de uma proteína. Sanger conseguiu mapear ninguém menos que a insulina, o principal hormônio na regulação do metabolismo da glicose. Isso lhe rendeu, em 1958, seu primeiro Prêmio Nobel de Química em 1958.

Em 1980 veio o segundo prêmio, que aconteceu depois que Sanger desenvolveu um método de sequenciar o DNA, e sua técnica permitiu a realização do primeiro sequenciamento total do genoma de um organismo (na ocasião, do bacteriófago Φ-X174).

E agora, resta esperar e torcer para que novos nomes figurem esta lista. Vocês têm algum palpite de um bom candidato ao segundo prêmio?